Pesquisar

         twitter logo  You Tube   

Enquete

Acesso o site...
 



Nosso boletim

Visitantes

Nós temos 19 visitantes online

Cadastro de Professores

                  
AddThis Social Bookmark Button
Cortes anatômicos

A professora Marislei Maso, doutora em anatomia comparada pela USP e professora da Fundação Educacional de Ituverava, falou aos alunos do “Adote um Cientista” sobre a importância de certos parâmetros para desenhar as estruturas dos seres vivos. Os termos usados na medicina, biologia e medicina veterinária facilitam a comunicação entre os cientistas, por isso é necessário saber a posição anatômica do animal para poder descrevê-lo corretamente.
Marislei explicou que os planos do corpo de um ser vivo –  que são divididos em plano craniano, plano caudal, plano lateral esquerdo, plano lateral direito, plano dorsal e plano ventral – são fundamentais aos estudos da anatomia. Os estudos das estruturas internas do corpo são possíveis somente após a morte e com o auxílio dos cortes anatômicos, que são realizados de maneira minuciosa para que as estruturas não sofram danos. Os tipos de cortes são sagital, frontal, transversal, longitudinal e sagital mediano. 
 
Representações
Alguns livros didáticos representam a célula como é observada num corte celular no microscópio óptico. Quando os autores perceberam que assim os alunos ficavam sem compreender exatamente como a célula estava representada, modificaram a figura para mostrar como ela é inteira e depois cortada, para exibir sua estrutura. 
 
Descrevendo os animais
O biólogo que trabalha com zoologia de vertebrados, abre os animais e desenha suas estruturas. Este profissional também pode ir a campo fazer coletas e encontrar animais que ainda não foram descritos no meio cientifico; quando isso ocorre é dito que foi encontrada uma espécie nova. Para que outros pesquisadores saibam como é essa nova espécie, é necessário que ela seja descrita por fora e por dentro – como são os órgãos, etc. Há formas corretas de descrever o animal, por isso existem parâmetros para fazer desenhos e para tentar enxergar as estruturas em três dimensões. 
A descrição do animal é como se fosse uma história com início, meio e fim. Os cientistas, para compreender melhor as estruturas, utilizam termos que são usados na biologia, medicina e veterinária para descrever animais e indivíduos, para então realizar os cortes e entender como são suas estruturas. 
A primeira coisa que é feita quando se trabalha com animais ou humanos é saber a posição em que ele se encontra, o modo como deve ser imaginado é conhecida como posição anatômica, que é a posição que estaria se estivesse vivo. 
 
Planos de delimitação 
Para realizar a descriçao ou o corte de um animal são atribuídos alguns nomes para suas partes, isso é chamado de plano de delimitação. O animal é colocado na posição anatômica dentro de um cubo. Esses planos são estruturas imaginárias que passam rente ao seu corpo. O primeiro plano rente ao dorso é chamado de plano dorsal; o que passa tangente ao ventre é chamado de plano ventral; o plano que rente a cabeça é o cranial; o que passa na cauda do animal é o plano caudal; o plano rente ao lado esquerdo, é o lateral esquerdo e o do lado direto é lateral direito. 
A descrição de um animal é iniciada pela região da cabeça, tronco, calda e depois os membros. Esta ordem serve para que todos os cientistas e estudantes compreendam a descrição realizada. 
 
Tipos de Cortes
 
-Mediano ou Sagital: o animal é divido em lado direito e esquerdo.
 
-Transversal: o animal é dividido em parte cranial e caudal (no ser humano é parte superior e inferior).
 
-Frontal: o animal é divido em plano dorsal e ventral.
 
-Longitudinal: o animal é cortado em sua longitude.
 
Com cortes diferentes é possível ver coisas diferentes, por isso é importante na biologia e na medicina saber os diferentes tipos de cortes. 
 
Marislei: “Fiz um corte na cabeça do boi para estudar os órgãos internos, vocês conseguem me dizer que corte foi esse?”.
Alunos: “Corte sagital ou mediano”. 
Marislei: “Se eu dividir a vaca em dorso e ventre, que corte que eu fiz?”.
Alunos: “Corte frontal”
Marislei: “Eu fiz dois cortes na região do pescoço, que corte é esse?”.
Alunos: “Corte transversal”.
 
Este texto tem como objetivo reportar a interação entre alunos e pesquisador e os conceitos tratados durante os encontros do programa “Adote um Cientista”.
Encontro realizado em: 17/03/2010.
 

 

AddThis Social Bookmark Button
 

Envios recentes

Casa da Ciência

Publicações

 

Jornal das Ciências 
Folhetins 

 

 

 


Casa da Ciência 2011 - Hemocentro de Ribeirão Preto FMRP-USP