Pesquisar

         twitter logo  You Tube   

Enquete

Acesso o site...
 



Nosso boletim

Visitantes

Nós temos 187 visitantes online

Cadastro de Professores

                  
AddThis Social Bookmark Button
Pequena espécie de rã usa a cavidade bucal para ouvir

A rã Gardiner (Sooglossus gardneri), uma das menores rãs do mundo, não tem ouvido médio nem tímpano, mas pode coaxar e ouvir outros animais da mesma espécie. Com imagens de raios-X, os cientistas descobriram que esse animal utiliza a cavidade oral, tecidos moles e ossos para transmitir o som para o ouvido interno. O estudo foi conduzido por uma equipe internacional de pesquisadores liderada por Renaud Boistel da Université de Poitiers e Centro Nacional para a Pesquisa Científica da França, o CNRS. 

A maioria dos animais de quatro patas têm o ouvido médio, que contêm pequenos ossículos que levam as vibrações do tímpano por meio de ondas de pressão no fluido do ouvido interno.

Para determinar que a rã Gardiner utiliza o som para se comunicar umas com as outras, os pesquisadores configuram alto-falantes nas florestas tropicais naturais de Seychelles, no Oceano Índico, - onde elas vivem - e tocaram sons de rãs pré-gravados. As rãs da floresta prontamente responderam ao som, o que significa que podiam ouvir a gravação.

Ao estudar as imagens de raios-X e simulações numéricas, os pesquisadores descobriram que a rã Gardiner percebeu o som por meio de sua cabeça. A boca do animal amplifica as frequências e o som é transmitido através de tecidos e ossos do crânio para o ouvido interno.

As análises indicaram que essas rãs têm uma espessura reduzida e com menos camadas de tecido entre a boca e os ouvidos internos, em comparação com outras espécies. Para os cientistas, essas adaptações auditivas provavelmente foram resultados de forças evolucionárias na espécie.

 

Fonte: Université de Poitiers.

Imagem: R. Boistel/CNRS.

AddThis Social Bookmark Button
 

Envios recentes

Casa da Ciência

Publicações

 

Jornal das Ciências 
Folhetins 

 

 

 


Casa da Ciência 2011 - Hemocentro de Ribeirão Preto FMRP-USP