Pesquisar

         twitter logo  You Tube   

Enquete

Acesso o site...
 



Nosso boletim

Visitantes

Nós temos 106 visitantes online

Cadastro de Professores

                  
AddThis Social Bookmark Button
Conhecendo a neurobiologia do autismo

Os alunos do Adote um Cientista participaram de uma atividade especial durante a Semana Nacional do Cérebro 2014. O encontro do dia 13 de março discutiu a neurobiologia do autismo, um distúrbio neurológico que tem na interação social sua principal característica. Para isso, convidamos dois pesquisadores das neurociências: Dr. Rodrigo Romcy-Pereira, professor do Instituto do Cérebro da UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte), e o mestrando Danilo Benette Marques, do Laboratório de Investigação em Epilepsia da FMRP (Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto) da USP.

 

Neurobiologia do Autismo: Uma questão de maturação e conectividade?

 

 

 

Costumo dizer que o nosso cérebro é bem generalista, nós somos "mais ou menos" em muitas coisas: não somos Einstein na Matemática e na Física, trabalhamos com o cérebro com funções medianas. No cérebro autista ele tem algumas ilhas que despontam e tem alguns vales.
Prof. Dr. Rodrigo Neves Romcy-Pereira - Instituto do Cérebro - UFRN.

 

O autismo, distúrbio neurológico que tem ganhado destaque em pesquisas em neurociências, compreende uma complexa rede de hiperfunções e hipofunções manifestadas de diferentes formas e intensidades. Conhecido pelo comportamento repetitivo de atividades motoras, como organizar carrinhos e demais objetos, o autismo abrange outras categorias de características. O enorme potencial para desenhos e cálculos matemáticos, associados (ou não) às dificuldades sociais e comunicativas, como a pouca troca de olhares e a dificuldade de imaginar a mente do outro, ou seja, de se colocar na posição de outra pessoa diante determinada circunstância - o que pode ser chamado de empatia - podem ser outras manifestações encontradas.


Nos últimos anos, tem crescido o diagnóstico de casos de autismo na população. Hoje, uma em cada 88 crianças americanas são diagnosticadas com este distúrbio, o que corresponde a um pouco mais de 1%.

Para apresentar o tema e discutir os últimos avanços das pesquisas da área, o neurocientista Rodrigo Neves Romcy-Pereira realizou uma videoconferência com os alunos do Adote um cientista, durante a Semana do Cérebro (10 a 16 de março). Internautas puderam acompanhar, ao vivo, a transmissão da palestra a partir do canal da Casa da Ciência no YouTube. Ao longo da conversa, abordou questões como:
Quais alterações morfológicas são observadas no sistema nervoso? Em quais regiões e em qual momento da gestação?
Em que momento ocorre a maturação dos neurônios? Quais variáveis influenciam?
Quais as causas genéticas do autismo? Quais genes são identificados como responsáveis e em quais cromossomos?
O que o autismo e a epilepsia têm em comum?

Sabe-se que o autismo está associado a alguns eventos, como a herança genética de alguns genes que dão pré-disposição ao distúrbio e alterações no desenvolvimento do cérebro durante a gestação, que ocorre durante 40 semanas. Algumas infecções virais, toxinas, drogas e medicamentos tomados durante a gestação podem alterar o processo de desenvolvimento e maturação dos neurônios, que pode ocorrer de maneira desorganizada e não controlada, levando a uma série de alterações na estrutura do cérebro. Estudos recentes têm esclarecido um pouco mais sobre isso, contou o professor Rodrigo Pereira.

Estas e outras questões foram apresentadas e discutidas durante a videoconferência e, ao final do encontro, diversas perguntas foram levantadas pelos alunos do Adote:

 

 Clique para ir ao vídeo

 

 

 

 

É possível utilizar a engenharia genética para poder tirar vantagem destes genes, aproveitar alguns que possam melhorar a memória (...), algumas habilidades e funções do cérebro?

 

Clique para ir ao vídeo

 

 

De alguma forma, depois de velho, é possível "virar" autista e ter essas habilidades e essas características?

 

 

Clique para ir ao vídeo

 

 

 

 Existe algum tratamento (para o autismo)?

 

 Clique para ir ao vídeo

 

 

Como foi dito, as pessoas autistas tem uma sensibilidade bem alta. Teria alguma forma de diminuir essa sensibilidade?

 

 Clique para ir ao vídeo

 

 

Uma pessoa autista também sente sentimentos fortes, como por exemplo, saber que está sendo excluída pela sociedade?

 

Clique para ir ao vídeo

 

 

Uma pessoa com autismo baixo/leve tem como passar a ter um autismo mais pesado, ou vice-versa?

 


Clique para ir ao vídeo

 

 

 

Existe alguma forma de, durante a gestação, identificar se a criança terá autismo?


Para aprofundar no assunto assista ao vídeo completo do encontro.

 

Autismo, Filmes de terror, Moral e o Bocejo contagioso: Uma relação biológica?

O que une Autismo, Filmes de terror, Moral e o Bocejo?

Para explicar essa relação, o biólogo Danilo Benette Marques desenvolveu o segundo diálogo do encontro com os alunos do Adote um cientista. A partir da articulação de diferentes experimentos da área, associado à conhecimentos de senso comum e eventos do cotidiano, o pesquisador explorou conceitos-chave, como as propriedades dos neurônios espelhos, a dinâmica das sinapses e o processamento de informações em regiões específicas do cérebro.
Iniciou caracterizando sua linha de pesquisa, a Neurociências, como "um conjunto de neurônios [pesquisadores] estudando um conjunto de neurônios [objeto de investigação]". Explicou ainda, que esta ciência "transita em todas as áreas do conhecimento: parte da filosofia à biologia molecular".

Para aquecer o diálogo com os jovens, provocou com questões:

O que está por trás de cada um destes conceitos?

Quais as relações com o funcionamento do cérebro?

Por que o bocejo é contagioso?

Está associado a ver alguma ação e imitar?

Qual o valor adaptativo destes comportamentos?

Durantes suas explanações, Danilo criou quatro momentos de discussões, focados no tema de sua palestra e, ao final, os articulam, permitindo aos alunos chegarem à construção de um dos principais conceitos previsto em sua fala: existe relação entre o autismo e os neurônios espelhos?
Antes de chegarmos nesta relação, conheça algumas questões levantadas em cada um dos momentos:

 

O bocejo

"Por que o bocejo contagia?"

"Existe alguma explicação evolutiva?"

 

Moral

"O que é a Moral?"

"O que é bondade? E maldade?"

"O que define o que é bom e o que é mau?"

"Como a Moral é estabelecida pela sociedade em que você vive?"

 

Filmes de terror

Danilo: Por que vocês gostam de cinema? Alguém já parou para pensar o porquê?

Aluno: Alguns filmes que a gente assiste faz a gente pensar na vida.

Danilo: A atmosfera dos filmes criam expectativas e sentimentos na gente, criamos um laço com personagens. Mas como a neurociência explica isso?

 

Autismo

Qual o significado da palavra autismo?

O que é Empatia? De que forma ela se manifesta no autista?

No autismo observa-se, em diferentes graus, o comprometimento da interação social, da comunicação e da linguagem. Outra característica que pode ser manifestada é a repetição de ações, como desenhar, tocar e organizar blocos, associados à interesses específicos.

"O Interesse específico é prioridade aos interesses sociais e de comunicação".

Para demonstrar a questão da empatia, o neurocientista explicou o Teste da Annie e da Sally, situação problema em que o indivíduo autista não consegue se colocar no lugar do outro, nem entende que outra pessoa pode ter um ponto de vista diferente do dele.

A empatia tem alguma relação com os neurônios espelhos?

Após discutir e apresentar experimentos relacionados a cada um destes conceitos, o pesquisador questionou:

"Como tudo isso se une? Empatia, interação e recompensa social, Moral, filme de terror e sua identificação com personagens, com o Autismo?

"Antes, temos que saber como o cérebro funciona", apontou Danilo:

O cérebro é composto pelas células nervosas, os neurônios. Eles são formados pelo corpo celular, o núcleo, onde está contida a informação genética, os dendritos (que significa galhos), o axônio e seus terminais. A informação do neurônio é processada na forma de impulsos elétricos, passando por dendritos  - corpo celular - axônio, com a liberação de neurotransmissores para o próximo neurônio.

Desta forma, o cérebro funciona por atividade elétrica. Estas sinalizações elétricas podem ser identificadas pelo eletroencefalograma (EEG) e pela neuro imagem, permitindo o estudo da oscilação dos disparos nervosos. Torna-se possível os estudos das diferentes regiões do cérebro, associando-as à estimulação local específica, que promove a manifestação de uma sensação ou ação, como sentir algum cheiro ou executar um movimento.

 

Neurônio espelho: conceito chave

O mestrando Danilo apresentou aos jovens do Adote a descoberta de um importante mecanismo neurofisiológico: a ação dos neurônios espelhos. A partir de um experimento realizado com macacos, cuja finalidade era mapear suas atividades cerebrais, os pesquisadores descobriram um curioso comportamento neuronal ao submeter o macaco à observação de uma ação que ele já conhecia.

Qual resultado alcançado nesta pesquisa?

Qual a relação deste importante mecanismo e os comportamentos observados nos indivíduos autistas?

Será que a propriedade de neurônio espelho também se aplica às emoções?

No filme de terror você sente medo porque é uma propriedade do neurônio espelho?

O bocejo é contagioso devido a empatia dos neurônios espelhos?

Autismo e neurônios espelhos: espelhos quebrados, não se desenvolveram ou estão dormentes?

 

Para conhecer o conceito e aprofundar no assunto, assista ao vídeo e acompanhe também as respostas dadas pelo especialista.

 


 

Espaço dos alunos

 

A partir da análise das filipetas do encontro, a equipe da Casa da Ciência produziu este infográfico destacando as principais dúvidas manifestadas pelos alunos e os principais conceitos aprendidos no encontro. A finalidade deste instrumento é a avaliação dos momentos de aprendizagem do aluno e valorização da sua dúvida.

 

{jcomments on} 

AddThis Social Bookmark Button
 

Envios recentes

Casa da Ciência

Publicações

 

Jornal das Ciências 
Folhetins 

 

 

 


Casa da Ciência 2011 - Hemocentro de Ribeirão Preto FMRP-USP