Pesquisar

         twitter logo  You Tube   

Enquete

Acesso o site...
 



Nosso boletim

Visitantes

Nós temos 47 visitantes online

Cadastro de Professores

                  
AddThis Social Bookmark Button
A eletrólise e a fotossíntese
Índice do Artigo
A eletrólise e a fotossíntese
Extração de pigmento de flores
Anatomia de uma flor completa
Circulação dos vegetais
Todas Páginas

 

 

Circulação dos vegetais

 

Objetivos

Observar o transporte de água através dos tecidos condutores de um vegetal.
 

Alunos foram orientados sobre a estrutura

correta a ser coletada

Materiais e reagentes
-flor recém colhida (com pétalas claras)
-béquer
-estilete
-água
 
Procedimentos
1-Colocar água até a metade do béquer.
2-Adicionar uma pequena quantidade de anilina suficiente para colorir a água de azul. 
3-Com a haste submersa na solução, realize corte em ângulo de 45º e deixe em repouso por 2 horas, observando os resultados regularmente, anotando-os em caderno de campo.
 
Questões
1-O que ocorreu com as pétalas da flor? Justifique.
 
Comentários

Condução de seiva  observada no experimento

realizado pelos alunos

Os caules geralmente são órgão sem clorofila nos quais predominam tecidos condutores de seiva. A água e os sais absorvidos pela raiz constituem a seiva bruta ou seiva mineral, que é transportada para cima, até as folhas.
Os produtos da fotossíntese, especialmente açúcares, são dissolvidos em água e formam a seiva elaborada, que é transportada para baixo, até as raízes.
A seiva circula no interior de longas células em forma de finíssimos canais, que são os vasos condutores. Os vasos liberianos conduzem a seiva elaborada e situam-se numa estreita faixa externa nos caules. Os que conduzem a seiva bruta são chamados de vasos lenhosos e, em conjunto, formam o lenho. Esses vasos têm paredes grossas e reforçadas por uma substância muito resistente, a lignina. O lenho compõe a maior parte da espessura do caule, na sua região central, que é o cerne, utilizado pelo homem como madeira.
No experimento realizado, podemos observar a condução da água colorida de cada béquer, pelos vasos lenhosos do caule, pois as pétalas da flor ficaram com pigmentos azuis e alaranjados.
 
 
Referência bibliográfica: Manual de Atividades Práticas – Biologia e Ciências. AutoLabor. 4º edição.
 

Encontro anterior                                               Próximo encontro
 

 

AddThis Social Bookmark Button


 

Envios recentes

Casa da Ciência

Publicações

 

Jornal das Ciências 
Folhetins 

 

 

 


Casa da Ciência 2011 - Hemocentro de Ribeirão Preto FMRP-USP