Pesquisar

         twitter logo  You Tube   

Enquete

Acesso o site...
 



Nosso boletim

Visitantes

Nós temos 7 visitantes online

Cadastro de Professores

                  
AddThis Social Bookmark Button
A eletrólise e a fotossíntese
Índice do Artigo
A eletrólise e a fotossíntese
Extração de pigmento de flores
Anatomia de uma flor completa
Circulação dos vegetais
Todas Páginas
 
 
Anatomia de uma flor completa
 
Objetivos
Alunos coletam flores para o experimento
Identificar as principais estruturas observadas em uma flor completa.
 
Materiais e reagentes
-folha de papel ofício
-flores simples e completas
-lupa
-placa de Petri
-lâminas de cristal
-lamínulas de cristal
-lâminas de barbear
-estilete ou bisturi
 
Procedimentos

O grupo separou as estruturas de

quatro flores diferentes

 

1-Observar o aspecto externo de uma flor completa e, em seguida, desenhar na parte superior de uma folha de papel ofício.
2-Separar, cuidadosamente, cada parte da flor, agrupando as estruturas iguais (pétalas, sépalas, carpelos, estames).
3-Colar as partes da flor na folha de papel sulfite, depois de separadas, e, através de legenda, identificar cada uma das partes.
4-Cortar no meio o ovário da flor (utilizando lâmina de barbear) e observar com o auxílio de uma lupa. Em seguida, fazer uma ilustração do(s) óvulo(s) observado(s).
5-Separar um estame, retirar sua antera e esfregar sobre uma lâmina de cristal. Posteriormente, verificar se aparecem sobre a lâmina pequenas estruturas amarelas (grãos-de-pólen). Na ausências dos grãos repetir o procedimento.
6-Acrescentar sobre a lâmina de grão-de-pólen uma gota de água e cobrir com a lamínula.
7-Repetir o item 6 e colocar água e mel (o tubo polínico desenvolve).
8-Verificar ao microscópio óptico e esquematizar o grão-de-pólen observado.
9-Repetir todo o procedimento com a flor que apresenta bráctea.
 
Questões
1-Que estruturas foram identificadas na flor analisada?
2-Quais as funções desempenhadas por cada uma das partes da flor?
3- Quais as funções desempenhadas pelas flores?
4-Observar ao microscópio óptico, os grãos-de-pólen de plantas diferentes apresentam semelhanças?
 
Comentários
As flores são órgãos responsáveis pela reprodução das angiospermas e gimnospermas.
Ao serem fecundadas dão origem à semente, que pode ou não ser protegida por fruto e, ao germinarem, dão origem às novas plantas.
Uma flor completa de angiosperma apresenta as seguintes partes ou verticilos:
-Verticilo de sustentação: é composto pelo receptáculo e o pedúnculo floral e, ambos, sustentam a flor.
-Verticilo de proteção: é formado pelo cálice (conjunto de sépalas) e corola (conjunto de pétalas), e ambos protegem as estruturas reprodutoras e atraem agentes polinizadores.
-Verticilo de reprodução: é composto pelo gineceu (carpelos, que são estruturas femininas) e androceu (estames que são estruturas masculinas).
Algumas flores podem não apresentar algum dos verticilos. Por vezes brácteas (folhas modificadas, que se assemelhas às pétalas) substituem os verticilos de proteção.
Uma importante característica taxinômica da flor é a qualidade de verticilos. Enquanto as monocotiledôneas (como as gramíneas, ciperáceas) são trímeras (apresentam estruturas em número de três ou múltiplo desse), as dicotiledôneas (como as leguminosas, as compostas) são tetrâmeras ou pentâmeras (apresentam estruturas em número de 4, 5 ou múltiplos desses).
Anatomicamente, os verticilos florais são folhas modificadas. Os estames e carpelos são gônadas e no seu interior formam, grãos-de-pólen e ooferas, respectivamente.
Havendo oportunidade de analisar no microscópio os grãos-de-pólen de várias flores, podemos perceber que cada flor apresenta características anatômicas específicas.
 
 
 
Referência bibliográfica: Manual de Atividades Práticas – Biologia e Ciências. AutoLabor. 4º edição.
 

Envios recentes

Casa da Ciência

Publicações

 

Jornal das Ciências 
Folhetins 

 

 

 


Casa da Ciência 2011 - Hemocentro de Ribeirão Preto FMRP-USP